Dia dos Pais anima comerciantes

Dia dos Pais anima comerciantes

O comércio da capital mineira deve faturar com o Dia dos Pais cerca de R$ 1,77 bilhão. Pelo menos é o que estima a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), uma das entidades que representa os setores de comércio e serviços do município. A soma esperada para a data, que neste ano será comemorada no próximo dia 13, representa um crescimento de 1,22% nas vendas do setor na comparação com a data em 2016. Nos últimos dois anos, a expectativa para o evento havia sido de recuo.

A melhora nos indicadores macroeconômicos como inflação, taxa de juros e desemprego, segundo o vice-presidente da CDL-BH, Marco Antônio Gaspar, explica o maior otimismo dos lojistas. Para 2017, 62,4% dos empresários do varejo apostam em vendas melhores do que no ano passado. Em 2016, este universo era de apenas 20%. Na análise por segmento, os comerciantes mais esperançosos são os das áreas de calçados, óticas, vestuário e drogarias/perfumes.

“Estamos com uma inflação abaixo do centro da meta, os juros inferiores a dois dígitos, e algum sinal de melhoria nos níveis de desemprego, então parece que a economia está voltando a caminhar nos trilhos. Claro que para chegar a um nível satisfatório ainda está longe, mas o atual já é suficiente para dar ânimo ao empresário”, pondera Gaspar.

Roupas (21,5%), perfumes/artigos de barbearia (11%), acessórios como carteira, cinto e meias (11%) e calçados (10,1%) são os produtos que, na opinião dos lojistas, devem liderar a lista de preferência dos consumidores para presentear no Dia dos Pais. O tíquete médio estimado para este ano, de R$ 180,62, aliás, é bem maior do que o do ano passado, que foi avaliado em R$ 117,23.

Gaspar reconhece que o valor é elevado, principalmente diante do cenário econômico enfrentado pelo País. Entretanto, o vice da CDL-BH avalia que ele pode ser uma resposta a um consumo que vem sendo reprimido já há um bom tempo. “Nos últimos anos, algumas pessoas deixaram de dar presentes para os pais em função da crise e pode ser que, neste ano, que está um pouco melhor, tenham vontade maior de presentear os pais”, justifica.

O pagamento parcelado no cartão de crédito, para a maior parte dos entrevistados (64,1%), deve ser o escolhido pelo consumidor na hora das compras, seguido da forma à vista, também no crédito, citada por 14,5% dos empresários.

Estratégias – Ainda segundo o levantamento da CDL-BH, 41,7% dos lojistas acreditam que, para estimular as compras e superar a barreira da cautela que ainda paira sobre os consumidores, as promoções, ofertas e liquidações continuam sendo a melhor opção. O investimento em divulgação (31,9%) e a flexibilização das formas de pagamento (15,3%) também estão entre as estratégias mais apontadas pelos comerciantes. “Ter cordialidade, oferecer conforto, comodidade, atendimento de qualidade, equipe de vendedores bem treinada, tudo isso ajuda a fidelizar o cliente”, acrescenta o presidente da CDL-BH, Bruno Falci.

Os três fatores que podem prejudicar as vendas mais citados pelos empresários são desemprego (26,5%), falta de agilidade e cordialidade no atendimento (22,6%) e aumento do preço dos produtos (17,5%).

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *